Aviso no Topo do Site
Acompanhe as últimas notícias de Tapes e Região.

Nesta manhã de quarta-feira, José Almiro Chagas de Alencastro, presidente do Hospital Nossa Senhora Aparecida, divulgou uma live onde detalhou a crise financeira do HNSA.

A pandemia do coronavírus agravou a situação financeira do hospital segundo o relato do presidente.

José Almiro denunciou os preços abusivos que os fornecedores tem cobrado pelos materiais utilizados pelo hospital

Disse que o álcool teve um aumento de 137%, os aventais tiveram um aumento de 788% e as máscaras um aumento de 6.000%. 

Até o momento o hospital recebeu R$180 mil do poder público e valores menores vindos de doações.

Só em salários a instituição deve R$1,5 milhão aos médicos. Além de dívidas com outros fornecedores e prestadores de serviços.

O presidente do HNSA justificou a situação financeira crítica da instituição relatando os cortes sofridos nos últimos anos.

Segundo ele, no ano de 2016 o Hospital Nossa Senhora Aparecida sofreu um corte de R$ 200 mil mensais de contrato com o Estado.

Em 2017, após a abertura da UPA em Camaquã, o hospital teve seu contrato rompido com a prefeitura, no valor de R$ 300 mil mensais e, em 2019, houve um novo corte no contrato com o Estado, no valor de R$100 mil mensais.

Confira a fala do presidente na íntegra:

Campartilhe.

Sobre o Autor

Deixe Um Comentário


Banner publicidade 728 x 90 RODAPÉ
AGORA É HORA DE SER VOCE?