Aviso no Topo do Site
Acompanhe as últimas notícias de Tapes e Região.

O leitor de notícias sobre política certamente já leu o nome “Centrão”. O grupo de partidos sem coloração ideológica clara que adere aos mais diferentes governos voltou a ser notícia por conta de acordos recentes com o governo Bolsonaro.

Facilitar a vida do poder em troca de cargos e verbas é algo que existe faz tempo. No mínimo desde que há Executivo e Legislativo.

Com a redemocratização no Brasil, ficou mais claro. O Centrão emergiu em 1987, ainda durante o Congresso constituinte. Os embates eram pesados. Sarney era um presidente fraco.

A origem do bloco remonta à Constituinte. Em 1987-88 congressistas contrários às pautas da esquerda se organizaram.

O bloco ainda hoje tem viés conservador. Há grande presença de evangélicos e apoio ao endurecimento da legislação penal.

Ter nascido como uma oposição à esquerda não impediu o Centrão de apoiar os governos petistas. E nem governo nenhum.

Atualmente os caciques do Centrão negociam apoio a Jair Bolsonaro. Em troca, têm indicado aliados para cargos na administração federal.

Os líderes do Centrão são pessoas que já se aliaram a governos anteriores. Alguns têm pendências na Justiça ou são alvo de investigações.

Na 6ª feira (05.06), o deputado Arthur Lira (PP-AL), líder do partido na Câmara e coordenador do bloco, foi alvo de denúncia da PGR por suposto crime de corrupção passiva em esquema investigado na operação Lava Jato. O pepista nega as acusações.

Já o deputado Paulinho da Força (Solidariedade-SP), também integrante do grupo, foi condenado a 10 anos de prisão pelo Supremo Tribunal Federal por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. A defesa do deputado afirma que ele irá recorrer. Alega que Paulinho foi vítima de tráfico de influência.

Estão também entre os principais líderes do conjunto de partidos, atualmente, Wellignton Roberto (PL-PB) e Marcos Pereira (Republicanos-SP). Também tem influência Gilberto Kassab (PSD-SP), que nega que seu partido integre o grupo.

Apesar de não ser exatamente parte desse conjunto de partidos, o MDB tem comportamento semelhante.

O Centrão ganhou destaque nos últimos anos do governo Dilma Rousseff por causa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ). Ele conseguiu apoio desses partidos, reorganizou o bloco e exerceu poder com base nesse apoio.

A aliança acabou sendo uma das principais responsáveis pela deposição de Dilma, em 2016.

A associação com o nome de Cunha, porém, foi tóxica para imagem do grupo. O deputado acabou sendo cassado e preso.

CARGOS NO GOVERNO BOLSONARO

Fonte: Poder 360

Campartilhe.

Sobre o Autor

Deixe Um Comentário


Banner publicidade 728 x 90 RODAPÉ
AGORA É HORA DE SER VOCE?