Aviso no Topo do Site
Acompanhe as últimas notícias de Tapes e Região.

O Governo do Estado e a Universidade Federal de Pelotas apresentaram, nesta quarta-feira (29), dados da segunda etapa da pesquisa sobre a Covid-19 no Rio Grande do Sul.

O estudo testou 4,5 mil pessoas em nove municípios (Porto Alegre, Canoas, Caxias do Sul, Ijuí, Passo Fundo, Santa Cruz do Sul, Santa Maria e Uruguaiana). Ao todo, seis exames deram resultado positivo. Ao extrapolar os números para toda a população gaúcha, é possível afirmar que pouco mais de 15 mil pessoas foram expostas ao novo coronavírus e adquiriram anticorpos.

A pesquisa também indicou para um alto número de casos não notificados.

A maioria desses registros é de pessoas que não apresentaram sintomas e não entram nas estatísticas oficiais. Para cada confirmação de paciente com Covid-19, há outras doze pessoas com a doença, mostra o levantamento.

Em videoconferência transmitida pela internet, o governador Eduardo Leite e o reitor da UFPel, Pedro Hallal, explicaram a diferença entre subnotificação e não notificação.

A questão (…) é real, existente, por conta deste fator de que as pessoas nem sabem que estão com coronavírus”, afirmou o governador. “A subnotificação dá a entender que é um erro do sistema”, explicou o reitor. “Na verdade não, a não notificação é porque as pessoas não se enquadravam nos requisitos para fazer a testagem”, completou o professor Hallal.

Óbitos por Covid-19

Ao considerar as 49 mortes registradas em casos notificados até a terça-feira (28), a letalidade foi de 3,6%.

Já num universo de não notificação, a letalidade cairia para 0,33% entre os óbitos confirmados. Com a margem de erro, o número varia entre 0,15% e 0,87%.

O reitor da UFPel destacou que mesmo baixa, a letalidade não pode ser ignorada. “A gente faz questão de destacar, com muita ênfase, que a letalidade varia muito com a idade. Essa estimativa na população como um todo não é a mesma na população de 60 anos ou mais, ela é bem maior”, explicou Hallal.

Ao ser questionada se não haveria uma subnotificação também nas mortes, a secretária da Saúde, Arita Bergmann, afirmou que não há demanda reprimida para a análise dos óbitos. “Se um óbito da negativo para Covid-19 ele também é testado para avaliar se existe ou não H1N1 ou outros vírus”, detalhou.

Com informações Rádio Guaíba

Campartilhe.

Sobre o Autor

Deixe Um Comentário


Banner publicidade 728 x 90 RODAPÉ
AGORA É HORA DE SER VOCE?